Tag Archives: livro

Perseverança

23 jan

per.se.ve.ran.ça
sf (lat perseverantia) Qualidade de quem persevera; constância, firmeza, pertinácia. Antôn: inconstância. (www.michaelis.uol.com.br)

Apesar de muitas vezes não parecer, perseverança é uma palavra forte. Para mim, ela soa forte. É uma forma de esperança, mas não a de quem espera de braços cruzados; se possível, sentado. É o equilíbrio perfeito entre fé e ação.

Eu sou uma sonhadora. Não no sentido pejorativo da expressão, eu sou uma pessoa que sonha com um futuro de realizações. Realizações, estas, possíveis de serem alcançadas, mas que exigem certo esforço. É por isso que, quando me perguntam a quantas andam meus projetos, eu logo digo que estou sendo perseverante.

Um desses projetos, quem me conhece já sabe, é terminar de escrever e publicar meu livro de aventura infanto-juvenil. Ao ouvir isso, alguns abrem logo um sorriso e me perguntam quando vou publicá-lo. Outros quebram o contato visual e dizem que escrever um livro é uma tarefa muito difícil, e que dificilmente fica bom.

Aos que acreditam em mim, muito obrigada. Infelizmente, não sei quando nem se ele será publicado. É claro que quem escreve um livro pretende publicá-lo, mas isso é uma questão que não depende só de mim. A boa notícia é que deve ficar pronto por Julho! Quanto aos que duvidam, peço humildemente que reconsiderem. Minha perseverança inclui trabalho duro, ler, perquisar, fazer, refazer e “trefazer”. Por mais que todos concordem que é um feito difícil, quem é sábio o suficiente para me julgar incapaz? Na minha opinião – e dificilmente ela será mudada – todo trabalho feito com o coração é um trabalho bem feito. E, se mesmo assim por algum motivo não dê certo, a experiência não é prêmio de consolação, é um prêmio real. Afinal, a prática sempre leva à perfeição ao aprimoramento.

Eu sou uma sonhadora, mas sou uma sonhadora com o pé no chão: não espero enriquecer vendendo livros. Além disso, sei que raramente o primeiro livro que uma pessoa escreve fica realmente bom, mas, acreditem no que digo, a lógica não permite que se escreva o segundo sem escrever o primeiro, e ela não abre exceções. Além disso, mesmo que o resultado do meu trabalho seja um livro ruim, ele será o meu livro, e essa é uma grande realização, por si só.

Não por estes motivos, mas por fatores inerentes meus, além da continuação do primeiro livro, eu já tenho a ideia quase pronta de mais duas histórias diferentes, volumes únicos. Escrever leva tempo, por isso as ideias estão na gaveta, mas não pretendo que fiquem lá por muito tempo. Até o final do ano – depois que eu terminar este primeiro livro e tiver entregado meu artigo para concluir a pós-graduação – espero começar a escrever.

Por hora, continuo o que estou fazendo. Passei dez agradáveis dias na praia, onde pude adiantar um pouco a história atual. Escrevi, inclusive, um capítulo recheado de cenas de ação, que ficou muito melhor do que imaginei que ficaria. Surpreendi a mim mesma! Não existe satisfação melhor – e mais difícil de alcançar – do que essa.

Anúncios

Livro: O Enigma do Quatro

7 maio

Voltando a falar sobre livros que eu li e gostei, hoje o assunto é O Enigma do Quatro, de Ian Caldwell e Dustin Thomason.

O Enigma do Quatro foi um livro que me prendeu do início ao fim. Conta a história de Tom, um jovem americano prestes a se formar em Princeton que, juntamente com seu amigo Paul, procura desvendar os segredos do Hypnerotomachia Poliphili, um livro enigmático que foi publicado na Renascença, na mesma época da Bíblia de Gutemberg. Ao mesmo tempo, existem outras pessoas com o mesmo objetivo, que fariam qualquer coisa para conseguir. E entre inimigos e aliados, eles seguem as investigações até que suas próprias vidas sejam colocadas em risco.

O interessante é que quanto mais Tom se concentra na resolução das charadas que o livro traz, mais obcecado ele fica. É como uma droga. Ou, para ser mais light, na aba do Enigma diz que o Hyperotomachia “exerce um poder hipnótico sobre aqueles que o estudam”. A dependência é tamanha que chega uma hora em que Tom precisa decidir entre o livro e a namorada!

As charadas do Hypnerotomachia são boas, mas falando francamente, não foram elas que me prenderam como leitora. O lado mais atraente do livro é quando ele fala sobre as relações humanas, deixando claro que o bem mais precioso que possuímos são as pessoas ao nosso redor, em contraste com o vício de Tom pelo livro. Grande parte é contado em flashback, como Tom conheceu cada um de seus três amigos de quarto, como se apaixonou por sua namorada, histórias que seu pai lhe contava, etc.

Li O Enigma do Quatro em Floripa, durante as férias de Janeiro, e lembro claramente como eu ia para a praia com o livro debaixo do braço, chegava a ser engraçado! Lembro também de todo mundo dormindo depois do almoço e só eu acordada, lendo. Todos podiam ver minha excitação… Até que o livro terminou! Foi muito esquisito… Geralmente, quando eu gosto demais de um livro, continuo dentro dele por semanas, com a cabeça nas nuvens, imaginando… Mas com o Enigma não foi assim. Assim que terminei fiquei séria, digerindo a história. Muitos acharam que eu não tinha gostado do final. E realmente, não tinha!

Apesar da grande e prevista descoberta histórica, o final não agradou muito… O motivo é que, depois de ter me contado a história de como grandes amizades começam, esse livro fez questão de me contar como grandes amizades terminam. Pessoas entram em nossas vidas, cumprem seu papel e depois simplesmente seguem seus caminhos. Vai cada um para seu lado e fim. Dura realidade!

Fiquei chocada, não esperava isso. Mas agora já passou, me acostumei com a idéia e digo: este livro é genial! Leiam! E quanto ao nome… Bom, não se prendam ao nome. O tal “enigma do quatro” só aparece no terço final do livro…

Livros que eu NÃO Recomendo

28 out

Continuando o post sobre livros, hoje vou falar dos que eu li e não gostei. Essa é a parte mais difícil… espero que ninguém me xingue!

LIVROS QUE NÃO RECOMENDO

***

ARTEMIS FOWL, EOIN COLFER

Eu simplesmente adoro a forma como Colfer narra sua história. Ele foca em um personagem por vez, mostrando tudo o que ele vê e sente. Mas o mais incrível é a forma como ele passa de um personagem para outro. A história segue de forma fluida, e a leitura gostosa. Se eu ler algum dos outros livros dele, talvez até goste. Mas não Artemis Fowl.

Comecei revirando uma prateleira de uma livraria. Agradeceria se tivesse escrito o número do livro em algum lugar fácil de encontrar, assim eu não levaria tanto tempo para descobrir que o primeiro livro é Artemis Fowl, O Menino Prodígio do Crime. Agora parece meio óbvio, mas na hora não parecia. Mas agora pensando bem, são poucas as coleções que possuem o número do livro, que eu me lembre só Deltora Quest. Preferia que todas tivessem.

Ok. Comprei o livro, li e adorei. O problema foi quando decidi ler o segundo. Mais um tempão na livraria para descobrir que o segundo era Artemis Fowl, Uma Aventura no Ártico. E foi quando comecei a ler este, que percebi que mal lembrava o nome dos personagens. E após algumas conversas, percebi o quanto era boba uma história onde um menino superdotado, super-rico e super-sagaz decide roubar o ouro dos duendes, que na verdade moram num mundo subterrâneo. E anões que cavam túneis comendo terra na frente e ahm… defecando atrás, como uma minhoca. Resumindo, a história não me cativou, não convenceu.

Dizem que o livro 7 é muito bom. Mas eu não estou nem um pouco com vontade de ler quatro livros ruins só pra ler um bom depois, e também não tenho vontade de pular metade da coleção. O 1 até que é legal também, até que inventaram de criar uma versão de quadrinhos… E o Artemis, que era um personagem até que legal, passou a ser apenas uma criança esquisita.

***

FRONTEIRAS DO UNIVERSO, PHILIP PULMAN

Pra quem não sabe, Fronteiras do Universo é o nome da coleção que inclui: A Bússola de Ouro, A Faca Sutil, e A Luneta Âmbar.

Saí da sala do cinema com várias dúvidas sobre o enredo do filme (por que eles fizeram tal coisa, se não tinham motivo algum?), e um pouco desapontada com a recente descoberta de que se tratava de uma trilogia. Então decidi que não iria esperar pelo próximo filme para saber como a história continuava. Preciso dizer que adorei os ursos de armadura?

Comprei o primeiro livro. A história começou exatamente igual ao filme, e parecia que nunca ia começar a realmente acontecer alguma coisa. Mas a história começou a acontecer, apesar de nunca atingir a velocidade que eu esperava. Várias das minhas dúvidas foram sanadas, pois eram apenas erros de adaptação, e descobri que um dos mocinhos do filme não mantém a impressão de bonzinho da história durante todo o livro. E, ao contrário do filme, o livro tem final SIM. Não é como Senhor dos Anéis, que continua no próximo episódio, mas como Harry Potter, que cada livro tem início, meio e fim. Mas em A Bússola de Ouro, eles cortaram o final do filme, onde o tal personagem fica malvado.

Apesar de ser um livro meio morno, a curiosidade bateu, e eu comprei o segundo. Então eu percebi o quão escancarada é a heresia dessa série. Chega ao ponto de os personagens quererem o impeachment de Deus! E juntarem um exército pra isso, incluindo humanos, anjos, bruxas, e todo tipo de criatura. Até matam criancinhas pra poder ultrapassar as fronteiras do universo, entrando em algum outro mundo paralelo. Eu fico imaginando… ao contrário do primeiro livro, o primeiro filme é bem tranquilo e infantil. Então como será que eles esperam fazer o segundo?

Depois disso tudo, desisti de ler o último livro. Em vez disso, li alguns spoilers na Wikipédia, o que serviu apenas para reforçar minha aversão.

***

CREPÚSCULO, STEPHENIE MEYER

Ao ter em mãos um livro sobre vampiros, e ainda por cima escrito por uma mulher, a primeira coisa que me veio à mente foi que com certeza esses vampiros seriam bem diferentes daqueles com que estou acostumada. Imaginei que se bronzeariam, se afogariam, se apaixonariam por humanos, e andariam de braços dados com lobisomens. Eu já estava psicologicamente preparada. Mas, para meu espanto, até que não foi tão ruim assim. O vampiro se apaixona sim por uma humana, e adora o sol. Mas ele não respira e, apesar da atual trégua, vive uma rivalidade com os lobisomens. No quesito vampiro, a autora está aprovada.

O maior problema dessa história é que ela é boba. Simplesmente boba. Pra começo de conversa, ela é inteira baseada em amor à primeira vista. Que os românticos me perdoem, mas eu não acredito nessa baboseira. Nunca aconteceu comigo, me interesso muito mais por quem está sempre comigo e me faz companhia. Amor à primeira vista pode até existir como algo mais carnal, mas não aquela coisa melosa que aparece no livro.

Então a história é essa: o vampiro gato pra caramba, rico e cavalheiro se apaixona de repente e sem motivo algum pela garota desastrada que não tem nada em especial. E eles passam o livro inteiro naquela “você devia ficar longe de mim, sou perigoso”, “mas eu não tenho medo de você”. Nada acontece até quase no final, quando aparece o vampiro malvadão que quer o sangue da menina. Então eles fogem. A menina, o vampiro galã e a família vampira dele (que, diga-se de passagem, só sugam sangue de animais, e nunca de pessoas). Fogem sem motivo algum. No final das contas, dois dos vampiros bonzinhos facilmente dão uma coça no malvadão, mas não antes deste dar umas porradas na menina.

Além do enredo, a narrativa também é péssima. A autora definitivamente não sabe narrar cenas de ação. Por isso, sempre que alguma coisa vai acontecer, misteriosamente a personagem principal desmaia, ou não consegue ver direito o que aconteceu, poupando a autora de uma descrição mais difícil. Piada!

O final é muito sem graça. Eu já estava decidida a não comprar Lua Nova, o segundo livro da coleção, quando tive uma surpresa: provavelmente sabendo que a obra era uma porcaria, publicaram o primeiro capítulo do segundo livro no final do primeiro. Um capítulo inteiro! Que termina numa situação muito boa, mas já até imagino o desfecho bobo que deve ter, no segundo capítulo. Bem, essa é a minha opinião. Minha irmã mais nova adorou, então dei o livro pra ela. E quanto ao filme que vai sair… eu vou assistir, pelo trailer parece que vai ser bom sim. Espero que ele supra algumas faltas do livro.

***

CORALINE, NEIL GAIMAN

Não me lembro onde foi o primeiro lugar que li sobre Coraline, me lembro apenas de estar procurando resenhas na internet. Achei muito interessante, parecia uma Alice no País das Maravilhas para adultos. O autor é o mesmo de Stardust – O Mistério da Estrela, que deu origem àquele filme maravilhoso filme ano passado. Então minhas expectativas eram grandes.

Mas no final das contas, acabei nem sequer abrindo o livro. Isso porque emprestei para o Luís antes. Ele leu, e me descreveu o livro inteiro como um plágio descarado de O Ladrão da Eternidade, de Clive Barker, que foi publicado em 1991 (uns 10 anos antes de Coraline), e recebeu uma versão em quadrinhos em 2005 (que, diga-se de passagem, é muito boa!). Agora estou na dúvida se leio ou não, mas acho que não vou perder meu tempo… pena que o dinheiro já era!

Agora, enquanto escrevia esse post, acabei de ficar sabendo que ambos, Coraline e O Ladrão da Eternidade, ganharão uma versão para as telonas ano que vem. Vamos ver quem faz uma adaptação melhor, certo? E eu estarei lá, nas duas sessões, para tirar minhas próprias conclusões.